segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O sujeito dogmático...

Constrói seu sistema de verdades por contaminação do ambiente em que circula.
Rejeita por princípio qualquer crítica ao “seu” saber, porque como não o construiu, sabe que se for abalado não será capaz de consertá-lo.
Acredita que expressões como “crença milenar”, “isso todo mundo sabe” e “deu na imprensa” são fiadores seguros do conhecimento.
Tem respostas rápidas para qualquer questão, pois não perde tempo refletindo sobre outras possibilidades.
Não concorda antes mesmo de conhecer algo.
Concorda antes mesmo de conhecer algo.
Acha que qualquer reflexão que sugira outras possibilidades de ser ou saber não passa de “viagem”. Por isso respeita os códigos e a matemática – entendendo ou não – mas abomina os saberes reflexivos.
É amante de qualquer força mundana capaz de emprestar aparência de inquestionabilidade ao seu saber: autoridades, letra da lei, palavra do Papa, última jurisprudência do STF, primeiro na lista dos mais vendidos...
Deseja uma patrulha moral do conhecimento. Quem discorda dele é “escroto”, “pervertido”, “criminoso”.
Gosta pertencer a rebanhos, por isso usa expressões que denotam que seu pensamento surge com a manada: “nós acreditamos nisso” (esse “nós” pode ser tanto coletivos genéricos como: brasileiros, catarinenses, alemães, judeus, flamenguistas, católicos, quanto coletivos especializados, como “nós juristas”, “nós psicanalistas”, “nós advogados”, “nós magistrados”, desde que seguidos pela expressão “pensamos assim” – como se qualquer desses coletivos tivesse um pensamento uniforme sobre as coisas!).
Expressa suas crenças mais sofríveis por canais lúdicos para evitar críticas: não defende o racismo, mas conta piadas sobre o “negão que pensa que é gente”; não tem nada contra mulheres, mas seu anedotário é uma catarse de risos sobre a inferioridade que ele jura ser só de brincadeirinha.
Lê por procuração: resumos, críticas de revista, opiniões de terceiros e orelhas de livro lhe dão à cômoda ilusão de que já tem o essencial do texto. (Não sabe que mais do que “pegar as idéias centrais”, a leitura consiste em passear com seu autor por outra lógica de pensamento. Seja um romance ou uma tese, dificilmente é o que se diz que faz diferença, mas sim o estilo com que se conduz texto).
Como vive num mundo acelerado, tudo que não contenha as expressões: “ação”, “espetáculo”, “cenas chocantes”, “pura adrenalina”, “muito show”, lhe dá sono e não justifica o investimento.
A filosofia para ele se faz com um copo na mão e uma música nas alturas da cabeça.
E é nesses momentos de ébria lucidez que das suas entranhas sai o grito reivindicativo-reflexivo máximo de sua existência “Toca Raul!”. Então olha para as pessoas do lado e confidencia, “Bah, isso sim é que é filosofia... Alguém tem um engov?”


Postado pelo Sandro Sell

8 comentários:

  1. Brilhante como sempre!!!
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. O constante adestramento que sofremos nos torna seres padronizados e, ainda acabamos refletindo este comportamento quando rotulamos e definimos o que é normal...
    A justiça/Direito é como Dona Flor ao não saber com qual marido ficar: Se com a segurança jurídica ou com a liberdade, o prazer... é um verdadeiro conflito.


    òtimo texto....

    Bjs,

    Vivi

    ResponderExcluir
  3. Belo texto,parceiro!
    Dimas

    ResponderExcluir
  4. É realmente assustadora e perigosa a forma limitada como tantas pessoas enxergam a vida. E, diante do seu texto, fico com receio de estar sendo um dogmático às avessas. Então, é bom a gente ficar sempre alerta e ter a mente realmente aberta.

    ResponderExcluir
  5. Realmente muito bom!

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Protesto!
    "Toca Raul" é de fato, sem ironias, o gesto reinvidicativo máximo!

    ResponderExcluir
  7. O texto é muito bom, mas tenho a impressão (como leitor antigo) de que se trata de uma segunda edição...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro o fato de você conseguir colocar "no papel" as coisas que eu penso e ainda por cima, de forma divertida.

    ResponderExcluir